Você está em: Portal Diabetes > Nutrição e Saúde > Saúde e Bem Estar > Saúde sexual e controle da glicemia

Saúde sexual e controle da glicemia

A intimidade sexual é um assunto altamente pessoal e privado para a maioria das pessoas, especialmente quando um problema sexual se desenvolve. Estresse, fadiga, problemas de relacionamento, depressão, vários medicamentos e problemas de saúde podem afetar o interesse e o desejo sexual, diminuindo a frequência da atividade sexual.1 O diabetes é mais um fator que pode ser adicionado à lista.

Diabetes e função sexual

Especialistas estimam que os problemas sexuais por diabetes afetam 75% dos homens e 35% das mulheres com diabetes.1 Sabe-se que o diabetes prejudica a libido ou desejo sexual; ereções nos homens; lubrificação vaginal nas mulheres; e orgasmo.2 Infecções do trato vaginal e urinário, que são mais comuns em mulheres com diabetes do que naquelas sem diabetes, podem tornar as relações sexuais dolorosas.3

Como o diabetes causa esses efeitos de longo alcance sobre a saúde sexual? O verdadeiro culpado não é o diabetes, mas sim a glicemia descontrolada. Glicemia alta causa neuropatia, ou dano do nervo, e danos em vasos sanguíneos por todo o corpo4. Alguns desses danos afetam a função sexual.

Função sexual masculina

Problemas possíveis

Normalmente a excitação física masculina começa quando os nervos comunicam uma estimulação sexual do cérebro para o pênis. O fluxo de sangue para os corpos cavernosos, as partes eréteis do pênis, aumenta. O óxido nítrico, um mensageiro químico, impede o fluxo de sangue para fora do corpo cavernoso. Quando todos esses processos fisiológicos funcionam corretamente, a ereção é possível5.

Homens com diabetes, no entanto, podem desenvolver disfunção erétil, a incapacidade de ter uma ereção firme o suficiente para a penetração. Uma neuropatia pode interromper a comunicação normal de excitação; açúcar elevado no sangue pode reduzir a produção de óxido nítrico; e danos nos vasos sanguíneos podem reduzir o fluxo sanguíneo para os nervos do pênis e para o próprio pênis5.

Manutenção da sua saúde sexual

A forma mais importante para você diminuir o risco de desenvolver um problema sexual é testar a sua glicose no sangue regularmente e manter os valores de glicose dentro da variação desejada.5 Controlar a pressão arterial e o colesterol e parar de fumar também são passos importantes.

Se você tiver um problema sexual, consulte seu médico para uma avaliação e diagnóstico.5 Mencione os medicamentos que toma, pois alguns medicamentos para pressão arterial e antidepressivos também podem causar disfunção erétil. Caso o seu problema seja devido à medicação, muitas vezes é possível prescrever um agente sem esse efeito colateral. Disfunção erétil é tratável, e os medicamentos disponíveis ajudam as ereções, aumentando o fluxo sanguíneo para o pênis.6 Se os medicamentos não são para você, muitas alternativas, incluindo dispositivos e implantes, estão disponíveis.1

Com um diagnóstico correto, tratamento adequado e um bom controle do diabetes, você pode manter a função sexual e continuar a ter relações sexuais apesar do diabetes.

Função sexual feminina

Problemas possíveis

Nas mulheres, a glicemia alta pode perturbar a função sexual de várias maneiras. Glicemia descontrolada pode causar danos aos vasos sanguíneos, diminuindo a excitação sexual e sensibilidade, lubrificação vaginal, e a resposta sexual. O excesso de glicose também pode predispor as mulheres a infecções fúngicas vaginais crônicas e infecções do trato urinário. Infecções fúngicas frequentes, mesmo se forem tratadas com terapias sem prescrição médica, podem resultar em irritação vaginal persistente e dolorosa.4 Uma duração prolongada dos níveis de glicemia alta pode causar fadiga e diminuição da libido.7 Especialmente nas mulheres, o estresse associado com diabetes ou outras causas também pode diminuir a libido.1,4

Manutenção da sua saúde sexual

Assim como para os homens, a forma mais importante para diminuir o risco de disfunção sexual ligada à diabetes é testar sua glicose no sangue muitas vezes e mantê-la dentro da variação desejada. Melhorar o controle do diabetes pode prevenir ou resolver problemas de função sexual. Se você está preocupada com a secura vaginal que torna a relação sexual desconfortável, um lubrificante sem prescrição pode ser útil.4.

É sempre uma boa ideia se consultar com o seu médico se você tem um problema sexual, ou problemas frequentes com fungos ou infecções da bexiga.4 Mencione os medicamentos que está tomando, pois alguns antidepressivos podem afetar a resposta sexual e a excitação.4,8 Se for esse o seu caso, os medicamentos muitas vezes podem ser mudados para outros que não afetem a sexualidade. Tratamentos prescritos podem ajudar a resolver a irritação vaginal resultante de infecções fúngicas crônicas e cremes hormonais podem melhorar a sensação.4

Alcançar e manter um bom controle de diabetes e discutir e resolver os problemas sexuais com a ajuda de seu médico podem permitir que você mantenha uma vida sexual ativa, apesar do diabetes.

Com um diagnóstico correto, tratamento adequado e um bom controle do diabetes, você pode manter a função sexual e continuar a ter relações sexuais apesar do diabetes.

Conclusão

O bom controle do diabetes é a chave para prevenir e tratar problemas sexuais ligados ao diabetes — e também é a coisa mais importante que você pode fazer para sua saúde geral.1 E se você precisar de mais alguma garantia de que os problemas sexuais não precisam acabar com a atividade sexual — uma pesquisa recente com quase 2.000 pessoas, de 57 a 85 anos, descobriu que a frequência de atividade sexual das pessoas com diabetes não é menor do que das pessoas sem diabetes.2

As informações aqui apresentadas não devem ser interpretadas como conselhos médicos. A Bayer recomenda que você consulte o seu profissional de saúde.


Fontes:

Roszler J. Straight talk: Diabetes and intimacy. Diabetic Living, Fall 2007. Disponível em: http://www.diabetesinfocenter.org/. Acessado em 13 de janeiro, 2011.

Lindau ST, Tang H, Gomero A, Vable A, Huang ES, Drum ML, et al. Sexuality among middle-aged and older adults with diagnosed and undiagnosed diabetes: a national, population-based study. Diabetes Care 2010;33:2202-10. Epub 2010 Aug 27.

Diabetes Health Centre. Reproductive health. Women's health matters. Women's College Hospital. Disponível em: http://www.womenshealthmatters.ca/. Acessado em 12 de janeiro, 2011.

Bouchez C. Women, sex, and diabetes: Men aren't the only ones who experience sexual problems as a result of diabetes. MedicineNet. Disponível em: http://www.medicinenet.com/. Acessado em 13 de janeiro, 2011.

Erectile dysfunction and diabetes: Key to prevention and treatment. Mayo Clinic. Disponível em: http://www.diabeteslibrary.org. Acessado em 17 de janeiro, 2011.

Diabetes and erectile dysfunction. Complications of diabetes—erectile dysfunction. Disponível em: http://www.diabetes.about.com/. Acessado em 14 de janeiro, 2011.

Diabetes Health Centre. Reproductive health. Sexuality and diabetes. Disponível em: http://www.womenshealthmatters.ca/. Acessado em 16 de janeiro, 2011.

Sexual and urologic problems of diabetes. National Diabetes Information Clearinghouse. National Institute of Diabetes and Digestive and Kidney Diseases. Disponível em: http://www.diabetes.niddk.nih.gov/. Acessado em 16 de janeiro, 2011.